Ergonomia

A ergonomia é ciência que estuda como as pessoas trabalham com o objetivo de adequar ao ser humano o posto de trabalho que o exerce. A ergonomia busca fundamentar e acompanhar a implementação de todos os tipos de melhoria das condições de trabalho: adequação do mobílio, orientação postural, existência de pausa, etc.

 A ergonomia tem como objetivo: prevenir desvios e vícios posturais, como por exemplo, escoliose, hiperlordose, hipercifose, projeção de cabeça à frente, ombros protusos e outras patologias como hérnia de disco, deficiência auditiva e visual, tendinites entre outras. Ela portanto reduz as conseqüências nocivas sobre os trabalhadores, proporcionando satisfação, segurança e saúde para a vida dos trabalhadores.

Ergonomia Cognitiva

A ergonomia cognitiva, ou avaliação de fadiga, foca os aspectos da atividade mental realizada pelo colaborador.

A aplicação da análise ergonômica da atividade mental visa adequar as exigências cognitivas da tarefa ao colaborador. A ergonomia cognitiva permite a diminuição do esforço dispendido para compreender e desenvolver a tarefa, o que facilita o processo mental para a tomada de decisão e execução de determinada ação.

A análise ergonômica do trabalho mental procura evidenciar situações em que o sujeito recebe mais informações do que consegue tratar ou recebe informações que ele representa de uma maneira e que pode levá-lo a cometer erros.

Os laudos da avaliação cognitiva orientam a empresa para análise dos indicadores do grau de fadiga e o quanto será determinante na produtividade e na qualidade de vida dos funcionários.

Laudo Ergonômico

Análise do conforto ambiental.

Uma grande fonte de tensão do trabalho são as condições ambientais desfavoráveis, como iluminação, temperaturas extremas, ruídos, umidade e vibrações. Esses fatores causam o desconforto e aumentam o risco de acidentes e pode provocar danos quase que irreparáveis para o trabalhador como perda parcial da audição e deficiência visual, gerando indenizações de valor altíssimo para a empresa. Portanto está analise tem por objetivo aferir as condições de conforto ambiental baseando-se nos parâmetros da NR 17 (norma regulamentadora da Ergonomia) e assim sugerir mudanças no local analisado.

Análise ergonômica do trabalho (AET).

1) Analisar e aplicar os conhecimentos em biomecânica para analisar, diagnosticar e corrigir uma situação real de risco através de 6 etapas:

2)Aplicação da ficha de anammenese para verificação de funcionários já portadores de ler ou Dort, encaminhando este para a fisioterapia reabilitadora e também diagnosticar os funcionários que já tem indícios, através de um questionário semi–estruturado e movimentos específicos de determinadas articulações e músculos que sentem incomodo.

3) Analise da tarefa de cada funcionário

4) Análise da atividade real adotada pelo funcionário com vícios posturais;

5) Diagnóstico

6) Alterações nos mecanismos de produção;

7) Recomendações ergonômicas.

As fases 3 e 4 serão feitas através de filmagens, fotos e observações para juntos com as informações das outras fases formular as recomendações ergonômicas

Benefícios

– Redução de erros e acidentes;

– Redução de absenteísmo;

– Diminuição ou erradicação de licenças medicas;

– Aumento da produtividade e qualidade de trabalho;

– Melhora da qualidade de vida e bem estar dos funcionários;

– Aumento da satisfação dos funcionários.

Orientação Ergonômica Postural

O projeto de orientação postural é fundamentado nos protocolos OWAS e Rula. Tem como objetivo orientar, individualmente, os colaboradores a adotarem posturas corretas de acordo com os ajustes ergonômicos realizados. Evita assim, incômodos que possam causar, a médio e longo prazo, o afastamento por lesões osteomusculares, as chamadas DORT (distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho).

A má postura é a grande causa de lombalgias, dores e contraturas que podem ser facilmente evitadas. A conscientização da melhora postural, através dos conhecimentos ergonômicos apropriados a cada posto de trabalho, torna possível a melhora da produtividade, a redução de acidentes, o incremento da qualidade e a redução dos custos laborais que se manifestam sob a forma de absenteísmo, rotatividade, conflitos, falta de interesse pelo trabalho e doenças osteomusculares.

Objetivos:

• Orientar, individualmente, a postura correta, em relação aos ajustes ergonômicos do posto de trabalho, de acordo com a NR 17;

• Conscientizar os colaboradores de que, para obtenção dos melhores resultados dos ajustes ergonômicos realizados, é necessária a manutenção da boa postura durante a jornada de trabalho.